• Tirinhas
  • Personagens
  • Livros
  • Curiosidades
  • Na mídia
  • Autora
  • Lojinha
  • Contato
  • English

Nia-ha e Lady Garras em... Baú (pt.2)


Um figurante aleatório cruza com a heroína na rua. Ele aperta os olhos, intrigado, e reconhece aquele amuleto que ela carrega no pescoço. Tem as iniciais do nome dele. Tem a foto da esposa dele. Mas a heroína não quer devolvê-lo. Diz que ganhou de um baú em uma casa. Que é dela. Agora o homem precisa batalhar com a ladra maldita para recuperar seus pertences. Ela o mata.

...E agora? E se todos os vilões figurantes que matamos nas nossas jornadas eram apenas pessoas nos atacando porque lhes fizemos algum mal? Porque roubamos suas coisas, batemos em seus parentes? Será que toda nossa vida tem sido uma mentira? Será que no fundo somos nós mesmos os vilões?


Nia-ha e Lady Garras em... Baú (pt.1)

 

 Um estranho conversa com o carpinteiro do vilarejo: "Sim, moço, eu quero um baú para oferecer objetos valiosos a aventureiros desconhecidos em locais ermos e inatingíveis. Esse de mogno com acabamento em ouro e capacidade de armazenamento de 400 litros me parece bom. Ahn? O que eu quero guardar? Ah, é só esse anelzinho de dedo mindinho..."

Macarrão

 

"(...)Apertei-me contra o fundo da mesa. Eles nunca me encontrariam. Não ali embaixo. Não naquele escuro. 

Um ta-ta-ta-ta-ta frenético cortou a noite. As árvores rufaram com a chegada do helicóptero. Seu farol invadiu a janela do meu quarto. Sim, eles estavam vindo. E traziam a minha punição. Como eu era idiota! Eu nunca devia ter comprado a sua ira! Eu nunca devia ter publicado aquela tirinha! Eu nunca devia ter admitido em alto e bom som que eu pegava a faca e cortava o-...

POW. A porta foi violentamente arrombada. Os italianos haviam me encontrado. Aquele seria o meu fim.(...)"

- "As Crônicas de Niazinha: um país, uma faca e um macarrão", p. 127. Rio de Janeiro, 2013. Romance não publicado porque não existe.

Terminando a faculdade


Quando eu tinha 15 anos eu era agressivamente a favor de as indicações de 16 anos dos filmes serem mais liberais. Eu pensava: "fala sério, um jovem de 15 anos hoje em dia vê muito mais que isso na internet! Que hipocrisia! Aliás, não é melhor a gente ver esse conteúdo mais pesado justamente pra se preparar pra vida?". Só que aí eu fiz 16 anos e automaticamente esqueci minha luta. Afinal, eu não precisava mais dela. Pensando melhor hoje, consigo fazer um paralelo com a política no Brasil. Temos um grupo de majoritariamente homens brancos e de meia-idade criando e vetando as leis de toda a sociedade. Quantos projetos para minorias são relevados por eles, que estão fora do público que elas afetariam e, portanto, ignoram a sua importância?

Redes Sociais

 

Mas claro que existem exceções - como vocês, seus coisas lindas, leitores fofos que povoam a seção de comentários com mensagens de apoio e críticas educadas. Os leitores do Como eu realmente renovam a minha fé na internet.

(Só teve aquela vez em que alguém tentou fazer uma simpatia/despacho de amor nos comentários de alguns posts. Mas nem perdi a fé por causa dela, na verdade. Só fiquei surpresa. Eu não sabia que o Como eu realmente tinha o poder de "trazer a pessoa amada em 3 dias". Será que M.H.R conseguiu conquistar seu R.T.M.L, afinal?)

Moda (des)oportunista



E ainda existe uma categoria híbrida de utensilios que eu classifico como semi-feios. De longe, e em meio a todas as outras cores da coleção, são lindos. De perto e sozinhos, porém, são incompletos. Como já dizia Shakespeare, em sua obra "Hamlet e a Regatinha Amarela": "Comprar ou não comprar, eis a questão".

Abrindo o pão

 

Mas se você abrir o saco do pão e sussurrar ao aramezinho, bem devagar, "eu estou de olho em você", ele vai continuar exatamente onde você o deixou. Podem confiar, funciona mesmo. (#NiazinhaTroll)

Nia-ha e Lady Garras em... Enigmas


Alguns dizem que pessoas inteligentes são aquelas que sabem se expressar de forma clara e objetiva. Se for isso mesmo, ou o Mestre Fofura é um idiota e não faz ideia do que está falando, ou ele é um sádico que fala tudo errado de propósito só para se divertir as nossas custas. (Hum... Da próxima vez que eu o encontrar, vou ver se sinto cheiro de pipoca.)

Nia-ha e Lady Garras em... A Espada

 

E o que mais me assusta não são os mortos-vivos sanguinários guardando a espada no fundo daquela caverna-calabouço-labirinto milenar. Não, o que me assusta são os insetos, morcegos e cobras que vivem lá dentro, nas suas profundezas mais intransponíveis e remotas, centenas de anos sem alimento ou oxigênio. Os mortos-vivos a gente pode até devolver ao submundo, já esses bichos... Eles são basicamente imortais!

***

Vocês pediram, e elas chegaram! As épicas aventuras da guerreira élfica Nia-ha e sua fiel companheira condescendente Lady Garras! Hahahah. Tentarei postar uma tirinha ou outra delas de vez em quando aqui no Como eu realmente e, se vocês gostarem, eu continuo com a série.