Consumidora



A desculpa queridinha das empresas prestadoras de serviços: "É culpa do sistema". "O sistema tá fora do ar", "O sistema não permite", "O sistema é assim mesmo", "O sistema demora 3 meses pra verificar o valor". Coitadinho do sistema, sendo usado como bode expiatório para justificar qualquer abuso ao consumidor.

32 comentários :

  1. O sistema é foda!

    ResponderExcluir
  2. Como estudante da área de TI: o "sistema" SEMPRE vai dar problema. Mas não é proposital não viu. Na maioria das vezes quem faz o "sistema" não faz já pensado nos problemas futuros, e só corrige eles quando acontecem. Ou pode ser culpa de terceiros, como o provedor de internet fora do ar, etc. Fica tranquila nia que o sistema não está conspirando contra você... ou está?

    ResponderExcluir
  3. Falta um r em parar na mensagem do pão, querida :3

    ResponderExcluir
  4. Hanah Ceres C. F. da Costa20 de novembro de 2013 19:45

    Somos vistos como enormes rebanhos de corte, simples assim...
    (vide "Tempos Modernos" de Charles Chaplin)

    ResponderExcluir
  5. Falta indeed. Bem observado, obrigada!

    ResponderExcluir
  6. Mas acho que a maioria dos consumidores é como no segundo quadro, porque parece que essas técnicas funcionam de alguma forma.

    Por exemplo, R$ 39,90 não são "trinta e poucos", são quarenta reais. Por causa de palhaçadas como esta que faço questão do meu troco em dinheiro. Não fui eu que coloquei esse preço ridículo, agora se vira aí com as moedinhas de dez centavos.


    "Blusas a partir de 29,90". "A partir de" significa "no mínimo". Ou seja, se tiver uma blusa de R$ 2.000,00 na arara, não pode reclamar. Começa em R$ 29,90 e termina no infinito.

    O mesmo vale pra "Descontos de até 30%". Bullshit!

    Uma vez o Max Gehringer contou uma empresa de salgadinhos começou a ganhar mercado imprimindo na embalagem das batatinhas "Sem colesterol". Considerando que batatas são fritas com óleo vegetal, e colesterol só tem em gordura animal, é o mesmo que escrever na embalagem do Playstation: "Sem arsênico".

    E, honestamente, é vergonhoso que a legislação permita pilantragens como "imagem meramente ilustrativa". TODA imagem é meramente ilustrativa. O que mais uma imagem pode fazer, além de ilustrar? Mas com essa eles se safam de venderem uma coisa mostrando outra diferente.

    Se o consumidor protestasse silenciosamente contra um produto malandro não o comprando, as empresas não teriam outra escolha a não se jogar limpo. Funciona em muitos países.

    ResponderExcluir
  7. Eu que trabalho com Marketing sei bem disso, é FATO pessoal.

    ResponderExcluir
  8. Niazinha, como alguém que trabalha com sistemas bancários e de planos de saúde há anos: O sistema muito provavelmente está fora, de verdade, rs
    Sou analista de testes e sempre que o servidor caía, aproveitava pra ler Guerra dos Tronos. Se serve de consolo, li os três primeiros livros da saga assim.

    E quando finalmente arrumavam o problema, eu trabalhava até muito tarde e perdia meus finais de semana, tentando atingir meu prazo atrasado =/

    ResponderExcluir
  9. Eu entendo, Paty. Fico com peninha de quem tem que cuidar do sistema também. Que barra!

    ResponderExcluir
  10. Se é... Um banco muito conhecido teve uma baita queda nos servidores há alguns meses atrás, impossibilitando o uso do banco pela internet e também pelos caixas eletrônicos. Em dia de pagamento. Imagine o caos...
    Senti dó das pessoas que enfrentaram fila pra pagar suas contas ou sacar seu dinheiro suado, assim como senti dó de quem foi mandado embora por algo assim...

    Agora, sobre o restante, sou de total acordo! Acho até que os doutores em oftalmologia deveriam incluir um teste obrigatório pra checar quantas pessoas conseguem ler o aviso "válido apenas nos três primeiros meses" em Arial tamanho -3... XD

    ResponderExcluir
  11. Cristina Smelan Saraiva21 de novembro de 2013 20:28

    É o que sempre digo... Sempre sobra pro programador...

    ResponderExcluir
  12. Eu sempre me achei uma pessoa minimamente inteligente e uma consumidora sagaz mas essa tirinha e esse seu comentário fizeram eu me sentir uma mula manca com meio cérebro.

    Obrigada i.i

    ResponderExcluir
  13. Uma imagem pode ser vinculativa, além de ilustrativa.

    Poder não fazer muita diferença semântica, mas juridicamente faz.

    ResponderExcluir
  14. O que ilustra exatamente o meu ponto de vista: é apenas um buraco jurídico usado pra tapear o consumidor.

    ResponderExcluir
  15. Ah sim, claro. Mas é só um deles, ainda há diversos outros...

    Mas a culpa não é exclusivamente dos produtores. A lei consumista é excessivamente protetora no Brasil. Se você tivesse uma indústria de qualquer coisa também incluiria a mesma coisa nas embalagens, a menos que quisesse perder dinheiro para consumidores oportunistas.

    ResponderExcluir
  16. O que seria um consumidor oportunista?

    ResponderExcluir
  17. Ele ta falando que tem gente que poderia processar empresas por falta do "meramente ilustrativo", Mas de qualquer forma a imagem passa algo que imaginamos ser, se só fosse uma simples imagem e que realmente passasse a realidade eles enfeirariam a foto tanto, pelo contrário só tirariam uma foto simples e pronto! O chato é que eles nem se esforçam pra chegar perto daquilo que "prometem" daí vem o sentimento de sermos passados pra trás...

    ResponderExcluir
  18. Exatamente o que a M.wicca falou. Tem consumidores que por conhecerem o ultra protecionismo do CDC, ficam procurando oportunidades de processar as empresas por qualquer besteirinha, como a falta desse aviso de "meramente ilustrativo" na embalagem e, assim, ganhar um dinheirinho na justiça, nem que seja fazendo um acordo com a empresa. Eu trabalho no judiciário, e o que mais se vê por aqui é isso, processos em que se percebe que os autores só querem tirar um dinheiro extra das empresas.

    ResponderExcluir
  19. Aí o problema é outro, a livre concorrência. Se você tirasse uma simples foto do produto, estampasse na capa dele e o seu concorrente colocasse uma foto toda enfeitada, mas com os dizeres "imagem meramente ilustrativa" embaixo, qual você acha que venderia mais?

    ResponderExcluir
  20. Acho que vc não pegou o espírito da coisa: seria legal se isso fosse lei, ou seja todos deveriam ser mais próximos da realidade, pq se de abusos já sofremos demais!

    ResponderExcluir
  21. Mas teoricamente já existe:

    "Art. 37. É proibida toda publicidade enganosa ou abusiva.

    § 1° É enganosa qualquer modalidade de informação ou comunicação de caráter publicitário, inteira ou parcialmente falsa, ou, por qualquer outro modo, mesmo por omissão, capaz de induzir em erro o consumidor a respeito da natureza, características, qualidade, quantidade, propriedades, origem, preço e quaisquer outros dados sobre produtos e serviços."

    A questão é que se entende que ao colocar o "meramente ilustrativo" na embalagem, não se está ferindo esse artigo do CDC. E provavelmente os legisladores acham que se proibissem completamente essa prática, estariam engessando demais a liberdade publicitária do setor produtivo, e, consequentemente, afetando o setor econômico nacional.

    ResponderExcluir
  22. Eu também trabalho no judiciário, embora não seja jurista, e isso que você falou realmente é verdade. Em toda relação jurídica há oportunistas e malandro, dos dois lados. No meu caso, vejo isso na questão do trabalho: muita empresa malandra, mas muito empregado idem.

    Entretanto, no somatório, a malandragem empresarial causa maior lesa à sociedade que a somatória da malandragem dos consumidores. Não é justificável aproveitar-se da existência de maus consumidores pra lesar todos indiscriminadamente.

    Agora, quanto à questão jurídica, você está desviando a discussão. "Teoricamente já existe" não é argumento, porque "teoricamente" é possível que os átomos do seu corpo e de uma parede estejam todos ao mesmo tempo numa configuração tal que, ao colidirem, você a atravesse até o outro lado. Mas duvido que você vai testar essa teoria.

    "Teoricamente" não importa na minha afirmação. O que importa é que, de fato, toda imagem é "meramente ilustrativa", e que este é um expediente utilizado pelas empresas pra tapear os consumidores, vendendo um produto com a imagem de outro, ou pior, de algo que sequer é possível. Se a lei permite isso é outra discussão, aqui eu estou afirmando que está errado, e que a livre concorrência não é uma disputa pra ver quem consegue lucrar mais com a lesa ao consumidor.

    A questão do engessamento da publicidade e afetamento da economia é um ótimo argumento, mas mesmo levando-o em conta, continuo não concordando com empresas que ganham dinheiro tapeando o consumidor. Legal ou ilegalmente.

    ResponderExcluir
  23. Eu saí da TIM de raiva desses sistemas malditos. Eu passava horas na fila e o sistema caía em 90% das vezes!

    ResponderExcluir
  24. ateu, e daí... sério isso?

    ResponderExcluir
  25. O pobre do sistema não tem quem o defenda, então o povo cai em cima.

    ResponderExcluir
  26. Concordar eu também não concordo. Não estou dizendo que seja legal ou correto. Só estou dizendo o porquê das coisas serem assim.

    E o teoricamente é só porque as coisas costumam ser de uma maneira na letra da lei, mas aplicá-las na prática é completamente diferente. Vide o CDC...

    ResponderExcluir
  27. o nome, ta, relamente, sou cristão mas, e daí q vc é ateu né? mas assim só achei estranho o nome da conta, seria como colocar, cristão, e daí? sei la...é estranho

    ResponderExcluir
  28. Realmente, seria estranho você colocar "Cristão, e daí?" em um país onde, segundo o IBGE, 86,7% da população é cristã, enquanto menos de 1% se considera ateu. Normalmente quem precisa buscar reconhecimento social são as minorias, não as maiorias.

    Mas não se preocupe, esse é só o nome do meu blog... Se quiser visitá-lo: www.ateuedai.wordpress.com

    ResponderExcluir
  29. Nas palavras de um amigo meu: "Quando eu não quero atender alguém, digo que o sistema caiu, que vai levar pelo menos 10min pra voltar, saio e vou beber café."

    ResponderExcluir
  30. Como (futuro, assim espero) analista de sistemas, ri por 1 minuto do seu comentário.

    ResponderExcluir