• Tirinhas
  • Personagens
  • Livros
  • Curiosidades
  • Na mídia
  • Autora
  • Lojinha
  • Contato
  • English

Direitos


Silvio, homem branco heterosexual com boa condição financeira, já nasceu com tantos bolinhos que nem repara mais que os tem. Aliás, ele até ignora sua gostosura e se foca em comer churros. Agora quero ver o que aconteceria se de repente tirassem os bolinhos dele e ele ficasse como tantas outras pessoas que nasceram em grupos menos afortunados na sociedade. Como será que ele se sentiria?

Ob.: Acho que exagerei nas metáforas dessa vez. Não sei se fui clara. Oh well.

49 comentários :

  1. Diz a garota branca e de classe média alta com mais grana que metade da população brasileira... uff

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que não quer dizer que ela não queira ajudar.

      Excluir
    2. Concordo totalmente! De seus bolinhos para os outros! Ninguém merece os comunistas burgueses.

      Excluir
    3. O fato da classe dela ser um pouco mais favorecida do que a sua não significa que ela tenha que pensar arrogantemente...Sr.Hipocrisia, você foi boçal...

      Excluir
    4. Ela não está sendo egoísta ou hipócrita. Ela está pensando nos outros. E você? Está cômodo porque tem mais do que outras pessoas? Acha que ela tem que ser como você?

      Excluir
    5. Hipócrita é ele, que prefere que os mais abastados deem aos mais pobres o que têm. Mais cômodo do que correr atrás do seu e merecer, né, filho? Trabalhar ninguém quer, quer só se fazer em cima dos outros. Se não está qualificado pra uma Bolsa Vagabundo do governo, parte pro ataque então aos que têm mais (muito ou pouco mais, não importa) do que ele... Recalque much?!

      Excluir
    6. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    7. Cara, assim, acho fácil falar que os outros têm que lutar para merecer quando se nasceu desfrutando do que os pais conquistaram com o suor deles.O seu pensamento é um pouco egoísta. Porque não entender um pouco o lado do outro? Bolsa família e outros programas são mesmo usados por algumas pessoas que se aproveitam, além do governo vigente ganhar votos com isso. Mas nada disso tira o fato de que tinha muita gente precisando e que teve uma vida melhor depois desses projetos. 

      Excluir
  2. Foi claríssima! Tirinha incrível, digna de ser publicada em um jornal de grande sirculação pelo teor crítico dela! Parabéns!! :)

    ResponderExcluir
  3. Simples e perfeito, Nia!

    ResponderExcluir
  4. Amei muito! <3 Que trabalho maravilhoso o seu!

    ResponderExcluir
  5. E era por isso que Jesus falava por parábolas... (porque o povo só entende desenhando, e talvez nem assim!)
    Mandou muito bem!!

    ResponderExcluir
  6. Amei a tirinha =) e tenho certeza, ele só diria isso para você protegido por uma rede social, beeeeeeeeeeeeem distante de sua pessoa real. Do mesmo jeito q antigamente todo mundo era loiro dos alto dos olhos azuis no mirc (nossa, desenterrei!), hoje todo mundo é valente e reacionário hipócrita no face =/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reacionário? Que palavra de comunista! Dívida seu patrimônio que você lutou para ter com quem não faz nada então!

      Excluir
    2. Claro que não. Cada um que tenha o que conquistou na vida e mereceu. Se não tem, que levante a bunda e vá conquistar. E não por força, mas por meritocracia.

      Excluir
  7. Débora Rossetti Mateus13 de março de 2014 22:23

    Niazinha, sempre genial. *---*

    ResponderExcluir
  8. Vc estava preocupada em não ter sido clara? Essa foi a melhor analogia que eu já vi sobre esse assunto!!!
    ps: vc devia procurar um psicólogo pra resolver essa sua fixação por bolinhos, lol

    ResponderExcluir
  9. Como estudante de direito e querendo me especializar em direitos humanos, eu peço licença para usar esse quadrinho como ilustração da nossa discussão inicial! haha
    Sério, se não entenderem com desenhos e bolinhos, temos um problema, Houston.

    ResponderExcluir
  10. Fique à vontade, hahahahah. Fico feliz que goste!

    ResponderExcluir
  11. pode usar metaforas, é muito mais facil chegar ao significado assim.

    ResponderExcluir
  12. ahahaha obrigada, já tô com uma cópia aqui no bolso pra sacar nas horas de necessidade hahaha

    ResponderExcluir
  13. Nia, você é minha ídola. <3

    ResponderExcluir
  14. Aleandre Da Silva Costa14 de março de 2014 11:49

    Perfeito, e oque a gente chama de reclamar de barriga cheia!

    ResponderExcluir
  15. Parece pessoas da minha sala, pessoas legais, mas um pouco chatas, tipo minha amiga parece que ganha 19.999.388.383 balas por dia, e , quando a gente pede para ela, ela diz que não tem ! Boa tirinha Fernanda ! Também gosto de bolinhos , quando vou no shopping a primeira coisa que faço é comer bolinhos !

    ResponderExcluir
  16. guria fiquei um pouco assustada com essa tua ideia ~hobbin wood~ de ~eh vergonhoso ou errado ter mais que alguem~.... sugiro ver esse video https://www.youtube.com/watch?v=WVG5HKkwjZo#t=4726 (principalmente depois do minuto 50)

    ResponderExcluir
  17. O negocio nao eh doar bolinhos, mas abrir o caminho para os que nao possuem consegui-los por merito proprio. Fruto de honesto trabalho.

    ResponderExcluir
  18. Fiquei curiosa. Legalmente, quais direitos um homem tem que nós não temos?
    A lei nos protege muito mais que a eles. Nos aposentamos mais cedo, não temos serviço militar obrigatório, nossa licença maternidade é MUITO maior que a licença paternidade (pai também deveria poder curtir e cuidar do filho).
    Existe muito preconceito, é verdade, mas em termos de DIREITOS, temos muito mais que os homens.

    ResponderExcluir
  19. Jonathan Acyoli Bastos Affini16 de março de 2014 15:58

    Bolinhos são direitos ou privilégio?
    Por que se forem direitos eu discordo, nossa legislação favorece várias minorias grandemente, e até a maior "minoria" mulheres.
    Se for privilégio então eu concordo, mas é meio hiperbólico dizer que mulheres são completamente desprivilegiadas.

    ResponderExcluir
  20. A questão é que esses direitos se baseiam em geral em preconceitos: o homem tem que servir porque mulher é considerada frágil demais pra isso (Israel discorda) enquanto a licença paternidade é quase nula porque "mulher é que tem que cuidar das crianças mesmo" e pra nossa cultura filho é um visto como um estorvo, um trabalho.


    Claro que nem todo mundo concorda com isso, mas faz parte da cultura e ir contra isso exige um preço alto a pagar.

    ResponderExcluir
  21. Nesse caso, não temos que dar mais direitos para nós mulheres e sim dar esses mesmos direitos aos homens, para que fiquem no mesmo patamar que nós. Como eu disse, legalmente homens não têm qualquer privilégio, muito pelo contrário. Nós mulheres é que temos. Sou a favor da igualdade, acho que eles merecem tanto quanto nós.

    ResponderExcluir
  22. A questão do privilégio é outra: É privilégio social, aquelas regras que não são escritas, mas valem até mais que leis. Não existe lei dizendo que a mulher tem que limpar da casa e cuidar dos filhos, mas em geral são elas que fazem, mesmo trabalhando fora.

    O feminismo e o movimento negro conseguiram sim resolver praticamente todo o problema no campo das leis, mas na prática a discriminação usa artifícios para se manter. A própria diferença salarial entre homens e mulheres é "justificada" com o argumento da licença maternidade. E é por isso, na verdade, que não tem nenhuma organização masculina lutando por maior licença paternidade.



    Ou seja, esses direitos a menos não estão aí por acaso, mas sim pra tentar justificar o sistema do jeito que está. E é uma pena que muita gente acredita.

    ResponderExcluir
  23. Não sei dizer se favorece "várias minorias", mas, ainda assim, não são todas. Vide a questão da união estável entre pessoas do mesmo gênero. E a tirinha até encaixa bem nesse caso, porque muito se fala em ditadura gay, pra uma coisa que é só luta por direitos iguais.

    ResponderExcluir
  24. Niazinha, parabéns por existir e fazer um trabalho tão especial e cheio de carinho e arte em seu blog. Em meio a tantas pessoas cruéis, desumanas, injustas e amargas, ver algo assim dá até um certo alento de fé na humanidade. Nem tudo está perdido.

    ResponderExcluir
  25. Sua linda, fico até emocionada com um comentário assim. Obrigada por todo o apoio! <3

    ResponderExcluir
  26. Jonathan Acyoli Bastos Affini18 de março de 2014 21:25

    Meu, pelo menos na minha opinião, uma boa legislação é aquela que ao ser aplicada a todos não favorece ou desfavorece qualquer grupo ou indivíduo, e que leis de violência doméstica não precisam ser focadas no sexo feminino.
    Tendo isso em mente eu acho que tentar compensar injustiça social com justiça criminal é como botar um band-aid num pneu furado, não é só conceitualmente incorreto, mas em execução simplesmente não funciona.
    Honestamente eu concordaria se você disser que a lei foi originalmente montada para ser críptica e beneficiar certos grupos, mas você não conserta a lei fazendo ela beneficiar mais grupos específicos até o ponto em que todos os grupos existentes estejam incluídos, por que isso é impraticável.
    E você certamente não deve tentar consertar a sociedade usando Lei, principalmente em um país tão indiferente a Lei como o Brasil.

    ResponderExcluir
  27. Jonathan Acyoli Bastos Affini18 de março de 2014 21:37

    Meu, em primeiro lugar é SUPER discriminatório dizer que todos os homens brancos heterossexuais de "boas condições financeiras" falam merdas como o termo "ditadura gay" e/ou são homofóbicos isso seria como dizer que todos os gays são pedófilos, e em segundo lugar eu concordo com você, é injusto que homossexuais não possam se casar, e esse é um ponto em que a Lei (que é onde os Direitos estão) desfavorece uma parcela específica da população, e se não fosse por discriminação de origem religiosa (por que eu te garanto que 99% da homofobia do mundo é de origem religiosa), seria um simples caso de correção da Lei.

    ResponderExcluir
  28. Jonathan Acyoli Bastos Affini18 de março de 2014 22:11

    O meu ponto é que essa tirinha é não só uma metáfora quase bem sucedida para o conceito de privilégio social ( http://en.wikipedia.org/wiki/Privilege_(social_inequality) ), mas também é um exemplo de um dos maiores problemas desse conceito, a ideia semi-comunista de que é obrigação do indivíduo privilegiado, ou entidades legais distribuir e/ou tentar garantir condições sociais igualitárias para todos, que além de simplesmente nobre e admirável é potencialmente MUITO problemática.

    Agora se ela for uma metáfora para direito legal (o que, pelo menos na minha opinião deve considerar todos os indivíduos como iguais), então é danificada, pois alem do fato de que a Lei (em seu estado atual) não beneficia tanto uma população "majoritária" de homens brancos heterossexuais com boas condições financeiras, quanto interesses oligárquicos, e populações eleitorais estratégicas (o segundo o qual não é inerente mal), e se discrimina populações específicas é mais por interesses oligárquicos, discriminação religiosa, ou desinteresse político.

    ...PQP eu tenho que parar de escrever livros em páginas de comentário de artigos de opinião.

    ResponderExcluir
  29. Mas ninguém (aqui) disse que todos os homens desse perfil são assim.


    Só quis dizer que a tirinha é válida. É uma hipérbole, certamente (Aqui ainda é o Como eu realmente, né?), mas não deixa de ser válida (E você pode ampliar o conceito de "direito" para além do conceito legal, chegando até no conceito de "privilégio"). A mensagem foi passada.

    ResponderExcluir
  30. Niazinha, ESTA sua resposta, especificamente, mostra que você tem NERVOS DE AÇO.

    (Ou que sua internet bloqueia links do YouTube.)

    ResponderExcluir
  31. "E isso não impacta em nada a quantidade de bolinhos que os mais favorecidos já tem."
    Oh, você é uma fofa pra se expressar. Até me convenceu. Se mais pessoas que defende uma pauta/causa fossem didáticos *não que devam ser* talvez a causa fosse mais apoiada/divulgada. Tem muita coisa que eu concordo, mas o "fã-clube" me desanima. Parabéns pela pessoal formidável que você é, Fernanda.

    ResponderExcluir
  32. Mulheres quando cometem o mesmo crime que um homem e são julgadas ficam em média 5 anos menos na prisão. Se aposentam mais cedo com a desculpa da dupla jornada que na verdade não tem já que possuem empregadas domésticas, essas sim que vivem uma jornada tripla no transporte público, na casa da "patroa" e no próprio lar, contudo essas mulheres até pouco tempo não tinham direitos. Já as brancas heterossexuais da classe média é que querem se aposentar anos mais cedo com base numa dupla jornada que para elas nem existe. A não ser que ir do trabalho para o bar seja considerado agora dupla jornada. País de gente hipócrita.

    ResponderExcluir
  33. Cara, sério? Tu só prova a desonestidade intelectual do machismo. Primeiro, por mais que tu não as ache atraentes, mulheres pobres continuam sendo... mulheres e, pior, a maioria da população feminina brasileira. Logo a tripla jornada que tu mesmo mencionaste justifica que a aposentadoria precoce porque, novamente, elas são a MAIORIA.


    Segundo, não estamos mais nos anos 80. A classe média simplesmente não consegue mais pagar as trabalhadoras domésticas, porque elas conseguiram muitos direitos e porque simplesmente o número de mulheres dispostas a trabalhar como doméstica caiu e continua caindo vertiginosamente. As jovens pobres que no passado seria domésticas hoje tem outras alternativas e a maioria acha que trabalhar num telemarketing é menos degradante do que ser doméstica.


    Aí com pouca oferta de mão de obra em baixa os salários aumentam e atualmente apenas a classe média mais alta e os ricos conseguem pagar. Então, get your facts right.

    ResponderExcluir
  34. Enquanto houver ideias positivas, haverá esperança. :)

    ResponderExcluir
  35. Niazinha, essa é uma das tirinhas mais esclarecedoras dobre a desigualdade social, sem tirar e nem por, ótima e excelente.

    ResponderExcluir
  36. Se você simplesmente ver a parte que ela fala: "Sera que deixam eu ter um também", mostra que ela não quer os bolinhos dele, ela quer um bolinho dela. Ela quer ter o mesmo direito de adquirir o bolinho. Assim como a maioria da população não quer ganhar um carro, uma casa, ele quer ter a mesma oportunidade de comprar com seu esforço que outras pessoas tem e eles não, por que as oportunidades para pessoas de classes desfavorecidas são menores. Não é uma questão de direitos ou privilégios, é uma questão de mais oportunidades, e veja que ela nem quer ter tantos bolinhos, só quer ter um pra ela, ou seja nem precisa ficar rica, só quer satisfazer suas necessidades. Claro que isso da para criar uma tese de mestrado aqui explicando essa tirinha que basicamente quer exemplificar de forma simples a questão, mas espero que tenha ficado claro meu ponto de vista.

    ResponderExcluir
  37. Quanto ao tempo de aposentadoria, acho que realmente deveria se estudar cada caso, olhando a questão da saúde, por exemplo mulheres estão mais propensas a osteoporose na velhice, oque impede trabalho braçal, no caso das que fazem trabalho administrativo realmente não sei se essa lei é muito justa. Quanto a licença maternidade, além de culturalmente ser empurrado para a mulher a criação dos filhos tem a questão da amamentação, coisa que homem não pode fazer. Serviço militar deveria deixar de ser obrigatório, muita gente quer servir e não consegue, e outros não querem e são obrigados, seria muito melhor que pessoas que realmente tem vocação seguissem a carreira militar.

    ResponderExcluir