• Tirinhas
  • Personagens
  • Livros
  • Curiosidades
  • Na mídia
  • Autora
  • Lojinha
  • Contato
  • English

Fã ou poser


Apesar de achar que mulheres sofrem mais esse tipo de preconceito (como nesse texto lindo da Jéssica Caroline), principalmente em universos predominantemente masculinos como quadrinhos e games, reconheço que isso acontece com pessoas de todos os gêneros. Poxa, gente. Quando é que ser fã de algo virou competição? Por que algumas pessoas se sentem bem desmerecendo o fandom de outras? Além disso, não é como se você precisasse saber tudo de determinado universo pra ser considerado fã de verdade. Se fosse assim, ninguém seria fã de Tolkien, porque é humanamente impossível decorar os 50 nomes diferentes em cada parágrafo do Silmarillion.

Ob.: Não conhece a Mulher Bolinho? Olha ela aqui embaixo!



35 comentários :

  1. #somostodosbolinhos ^_^/

    ResponderExcluir
  2. exatamente niaa kkk mais uma linda tirinha mostrando só vdds

    ResponderExcluir
  3. Como as pessoas podem ser idiotas...
    Quantas vezes eu chego a essa conclusão por dia...
    =P

    ResponderExcluir
  4. 50 nomes por parágrafo no Silmarillion foi épico.
    E também tem aquele fã chato que perde o senso crítico e passa a defender qualquer coisa produzida pelo artista/editora/sei la mais o que.

    ResponderExcluir
  5. Fernando Bilinski29 de abril de 2014 22:37

    E no primeiro quadrinho temos a versão masculina da Niazinha. #Rule 63

    ResponderExcluir
  6. Diz que é fã do como eu realmente e não conhece a mulher bolinho.. poser

    (eu so vi a mulher bolinho agora :( )

    ResponderExcluir
  7. Já comecei a ler O Silmarillion duas vezes e nunca consigo terminar porque eu não gravo aqueles nomes de jeito nenhum!!! Fora isso, é a melhor metade de livro que eu já li na vida :D

    ResponderExcluir
  8. cadê a camiseta do Luciano Huck pra gente vestir? #somostodosbolinhos

    ResponderExcluir
  9. ... e Daniel Marques Vieira vence a Internet.

    ResponderExcluir
  10. ta ai uma camiseta q eu compraria

    ResponderExcluir
  11. Lembrei deste texto do Momemtum Saga: http://www.momentumsaga.com/2014/04/fake-nerd-e-por-que-isso-e-uma-merda.html

    ResponderExcluir
  12. Texto LINDO!!! Vou guardar pra compartilhar depois!

    ResponderExcluir
  13. Linkando o lance do racismo/macacos e o assunto da sua tirinha: as pessoas ficam bravo quando nos comparamos a macacos. Mas ainda não conseguimos nos livrar de alguns instintos muito básicos de certas regiões do nosso cérebro que são resquícios de nossa herança reptiliana.

    Por que, catso, TUDO tem que ter um juízo de valor embutido? Por que eu preciso sempre pensar em termos de melhor versus pior? Ouvimos orações absurdas como "fulano ama mais a cicrana que a cicrana ao fulano" ou "sou seu fã número 1". Os fóruns e blogs estão lotados de literais retardados mentais que comentam apenas "primeiro!".

    Não tem isso de GOSTA MAIS ou menos, é MAIS FÃ ou menos, tal cor é MELHOR que a outra (incluindo a de pele). Isso é quantificar o imensurável e o subjetivo. Não dá pras coisas simplesmente dividirem-se em boas e más, porque nossa mente humana complexou a realidade de forma muito mais diversificada.

    "Bom vs mau" é um pensamento útil na natureza selvagem, onde "bom" te faz viver e "mau" te mata. Daí convém dividir o mundo em preto e branco. Mas numa sociedade cheia de pessoas (supostamente) pensantes, o espectro de possibilidades é bem mais amplo. Se todo mundo só gostasse de música, o Como Eu Realmente não existiria. E se todo mundo só gostasse de desenhos... bem, imagine o Indiana Jones sem trilha sonora.


    Eu não gosto de tatuagem. A ideia simplesmente me é repulsiva. No entanto, ainda bem que muitas outras pessoas gostam e fazem, porque seria uma forma de arte a menos que conheceríamos e praticaríamos enquanto espécie. E arte nunca é demais.


    Paremos de nos sentir ameaçados pelo que é diferente. Diferente é BOM (aqui sim, cabe um juízo de valor). A diversidade é nossa amiga. Viva e deixe viver... porra! :P

    ResponderExcluir
  14. Linkando o lance do racismo/macacos e o assunto da sua tirinha: as pessoas ficam bravas quando alguém nos compara a macacos. Mas ainda não conseguimos superar alguns instintos muito básicos de certas regiões do nosso cérebro que são resquícios de nossa herança reptiliana.

    Por que, catso, TUDO tem que ter um juízo de valor embutido? Por que eu preciso sempre pensar em termos de melhor versus pior? Ouvimos orações absurdas como "fulano ama mais a cicrana que a cicrana ao fulano" ou "sou seu fã número 1". Os fóruns e blogs estão lotados de literais retardados mentais que comentam apenas "primeiro!".

    Não tem isso de GOSTA MAIS ou menos, é MAIS FÃ ou menos, tal cor é MELHOR que a outra (incluindo a de pele). Isso é quantificar o imensurável e o subjetivo. Não dá pras coisas simplesmente dividirem-se em boas e más, porque nossa mente humana complexou a realidade de forma muito mais diversificada.

    "Bom vs mau" é um pensamento útil na natureza selvagem, onde "bom" te faz viver e "mau" te mata. Daí convém dividir o mundo em preto e branco. Mas numa sociedade cheia de pessoas (supostamente) pensantes, o espectro de possibilidades é bem mais amplo. Se todo mundo só gostasse de música, o Como Eu Realmente não existiria. E se todo mundo só gostasse de desenhos... bem, imagine o Indiana Jones sem trilha sonora. Ou pior: nem existir Indiana Jones!


    Eu não gosto de tatuagem. A ideia simplesmente me é repulsiva. No entanto, ainda bem que muitas outras pessoas gostam e fazem, porque seria uma forma de arte a menos que conheceríamos e praticaríamos enquanto espécie. E arte nunca é demais.


    Paremos de nos sentir ameaçados pelo que é diferente. Diferente é BOM (aqui sim, cabe um juízo de valor). A diversidade é nossa amiga. Viva e deixe viver... porra! :P

    ResponderExcluir
  15. Eu nem tinha reparado! ahhahaha seria legal ter mais umas tirinhas com o "Nio" hahahahaha

    ResponderExcluir
  16. Fernando Bilinski2 de maio de 2014 10:55

    Sim, seria legal.

    ResponderExcluir
  17. Poser não existe, mas que existe gente chata que nunca conheceu a obra e fica se achando como se tivesse nascido conhecendo cada ponto/traço/fala do negócio.
    Eu acho interessante, por exemplo, como tem uma tonelada de pessoas hoje apaixonadas por Batman, Homem de Ferro etc e falam que entendem de tudo, quando antigamente tinha uma tonelada torcia o nariz para os gibis.

    ResponderExcluir
  18. Tipo tem pessoas que não entendem nada sobre um assunto,tá certo que não precisa saber tudo mas pelo menos o básico né?? Claro que tem umas pessoas que exigem que a pessoa saiba de tudo e acho ridículo gente assim,mas a pessoa não saber pelo menos o minimo da coisa e receber um monte de admiração ou elogios dá raiva também. e-e

    ResponderExcluir
  19. Gente, juro que não era minha intenção, mas, agora que vocês falaram, até que parece. Vou entrar na teoria da conspiração com vocês, hahahahahahhaah!

    ResponderExcluir
  20. Confesso que depois de tanto ser chamada de poser (cruzes, como se diz fã de Helloween sem saber a letra de cor de todas as músicas, quem as escreveu e a data de lançamento de cada álbum, demo ou EP) eu passei a me vingar com os caras que se diziam fã de Saint Seiya (porque eu era demente por Saint Seiya daquela que decorava as falas em 3 linguas):

    "Diz de qual matérial é feito as armaduras. Não sabe que é origauco, inspirado no metal mágico de Atlantis? Oh, não leu a enciclopédia Saint Seiya? Que conhecidencia, estou com a minha aqui de dentro da mochila, deixa eu te mostrar" e dizia enquanto estupava o peito pensando "Se fode, como é ver uma menininha manjando de Saint Seiya mais que você?"

    Ai eu cresci. Vi que era perda de tempo. Eu fazia isso quando me sentia pequena e queria provar que de alguma coisa eu manjava mais que os outros (e eu amava Saint Seiya mais que tudo na vida). Hoje quando vejo alguém agindo assim eu penso "Ou a pessoa não tem mais nada na vida ou ela sofreu muito sendo chamada de poder (porque não tinha mais nada na vida que realmente importa além de ser fã).

    Depois de toda essa redação eu queria te dizer que virei fã da Mulher Bolinho, quero fazer um jogo para ela (sou programadora). Se tiver os desenhos e as ideias (tipo...a Mulher Bolinho ataca jogando bolinhos ou é um jogo de lógica?) gamo aê (assim que eu entrar de férias no mestrado em junho).

    ResponderExcluir
  21. Quero quadrinhos da Mulher Bolinho!! *-*

    ResponderExcluir
  22. Comentário perfeito, posso emoldurar? haha Como complemento a quem leu, aqui tem um biólogo falando sobre o fato de sermos macacos: https://www.youtube.com/watch?v=Q-X3gGKyq0M

    ResponderExcluir
  23. Pois é. Eu sou biólogo.

    Estudar biologia (de verdade, não apenas pra passar de ano) ensina duas coisas que eu considero muito importantes:

    Primeiro, que nós não somos o centro do universo, apenas parte dele. No universo dos seres vivos, não somos os principais, ou a razão de ser de toda a biosfera. Uma das coisas mais idiotas que você pode perguntar a um biólogo é "pra que serve esse bicho?" (ou planta, microrganismo ou qualquer ser vivo). Não existe espécie mais evoluída, estamos todos no mesmo estágio da evolução. Somos apenas uma das espécies que surgiram mais recentemente, e como todas as outras, frutos do do casamento do acaso com a oportunidade. Isso dá uma perspectiva muito mais adequada com relação a seu lugar no mundo que esse egocentrismo disfarçado de antropocentrismo.

    A outra coisa importante é que a diversidade é o caminho da natureza. Mais de 99% de todas as espécies que já existiram no planeta já não existem mais. A peneira é fina, e poucos permanecem. E mais: ninguém pode prever qual será o critério de seleção. Pode ser o maior, o menor, o mais complexo, o mais simples, o mais colorido, o que enxerga, o que é cego, o que detecta calor, o que voa, o que nada, o que cava tocas, o que é preto, o que é branco, o que é cor de burro quando foge... enfim. A vida só é perene pela diversidade. Se a vida fosse uma entidade consciente, imagine que roubada teria sido se ela tivesse apostado todas as fichas, digamos, nos saurópodes antigos (vulgo dinossauros).

    Esse senso de autoimportância só leva a... bem, leva a isso aí que observamos todos os dias.

    Desculpe o tamanho da postagem. :)

    ResponderExcluir
  24. Desculpas tens que pedir por pedir desculpa, isso sim. haha Adoro ler, ainda mais quando o conteúdo reforça minhas ideologias de um ponto de vista científico. ;)

    ResponderExcluir
  25. Nia, vou dizer que acho hipócrita essa ideia de poser. Fiz até um textão mostrando como tô #revolts com isso. hahaha https://www.facebook.com/pizzamomsen/posts/651399221575494

    ResponderExcluir
  26. Admito que já fiz esse tipo de julgamento (e não só com mulheres, nem principalmente com mulheres), mas em geral nunca me aproximo da pessoa assim. Eu realmente procuro conhecê-la, se chegamos a conversar.

    ResponderExcluir
  27. Me acabei de rir com "oh não a vergonha alheia está me impedindo de me mover" kkkkkkkkkkkkk *detalhe estou no trabalho

    ResponderExcluir
  28. Nia, quando vai ter HQ da mulher bolinho?

    ResponderExcluir