Retrospectiva 2013

 

Assim como eu não sabia o que colocar nessa tirinha, também não sei o que comentar aqui, então vou falar de algo completamente aleatório: o mistério dos coqueiros no topo dos morros. Se a semente do coqueiro é o coco, como existem coqueiros no alto dos morros e montanhas? Algum animal ou passarinho bombadão subiu com o coco até lá em cima? Ou será que os coqueiros já estão lá desde muito antes de as montanhas existirem, e "subiram" quando elas se formaram? Nossa, isso me incomoda há anos. Alguém tem alguma resposta??

Milagre de Natal


Porque até os focados na dominação mundial se permitem um pouquinho de amor natalino.

Feliz Natal, seus lindos! 

E obrigada por me acompanharem até aqui!
Que estejamos juntos de novo no Natal do ano que vem. °ᵕ°

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=601695179884951

Esperando o Natal


O amor é complicado. E você não escolhe quando amar. Você ama, mesmo que isso vá te fazer sofrer. Mesmo que você saiba que deve se afastar. O amor continua, até quebrar cada pedacinho de você. Ah, Chocottone. Toda vez que o abro e vejo seus raros pingos de chocolate ressecado tão diferentes da embalagem, engulo um suspiro de decepção. No entanto, não consigo parar de comê-lo. Qual é o problema com o meu coração?!

Ob.: Sim, eu sei que postei esse comentário na fanpage ontem, mas é que era tão pertinente com a tirinha que achei legal imortalizá-lo aqui.

Início de verão


Mas o que me preocupava na hora de fazer essa tirinha não era a densidade populacional de centro urbano chinês dos mosquitos aqui de casa. O meu problema foi que, no quadrinho final, eu queria escrever "Brace yourselves. Mosquitos are coming.". Sim, mosquitos sem o "e", porque eu achava mais engraçado usar uma palavra em português no meio da frase em inglês. Só que ia ter tanta gente incomodada, achando que eu tentei escrever tudo em inglês e esqueci o "e", que acabei optando por deixar assim. Melhor evitar a fadiga.

Indefinida


Essa tirinha é um apelo para que as pessoas parem de esperar das outras comportamentos 100% lógicos e plausíveis (e crucificá-las quando não são assim). Não superestimem a racionalidade do ser humano; ainda somos animais que frequentemente agem sem pensar. Nem sempre o que acreditamos, falamos ou fazemos faz sentido. E, pra piorar, estamos sempre em transformação. É complexo, mas é normal.

Ob.: porque de vez em quando eu posso variar um pouquinho do humor, né? 

Ob.2: Pra quem quiser ver a ilustração um pouquinho maior, postei ela aqui.

Enchente


"Os carros são como as lanchas, as motos são como os jet skis, e os pedestres são como os banhistas". O redator que escreveu isso é um gênio da crítica social disfarçada.

Assinaturas


Fico me perguntando quando é que eu vou virar "adulta de verdade" e ter uma assinatura assim. Será que da noite pro dia meu nome virará um rabisco, e eu subitamente irei querer constituir uma família e aplicar ações na bolsa de valores? Será que em uma manhã qualquer eu acordarei parando de entender sitcoms americanos e passando a achar graça de Zorra Total?!

Colar


Se colar já não é legal, colar e se gabar é simplesmente o cúmulo. Quando é que a nossa sociedade distorceu tanto os seus valores a ponto de fazer estudar e se esforçar virar coisa de otário? Quando é que as pessoas passaram a mascarar preguiça, burrice e babaquice sob a máscara da esperteza para torná-los motivo de orgulho?

Ps.: Coloquei-os em um ambiente sem uniformes dessa vez porque reparei mais nesse tipo de comportamento quando eu estava na faculdade.

Borboletas


Sim, fiz a animação da mão da Niazinha aceitável, mas não na velocidade exatamente certa, o suficiente para perturbar os sentidos de vocês e os hipnotizar. (Mentira, fiquei com preguiça de melhorar, mas vamos fingir...)

Mudando de assunto...

Já viram nossa Gincana de Natal?

O Como eu realmente e as meninas dos blogs Recanto da Mi, Mais que livros, Diário da Alvorada, e Por uma boa leitura preparamos provas divertidíssimas no clima natalino desse dezembro. São desafios pra vocês abusarem da criatividade (e nos impressionarem com suas ideias doidas), e no final haverá ainda o nosso Mega Sorteio de Natal.

Ah, e entre o monte prêmios estão duas chances de ganhar uma ilustração sua feita por mim no estilo do Como eu realmente. Gostaram? Vejam mais informações no banner do Face e participem!

Shorts


Mas não serei hipócrita: tenho um short nesse estilo e até gosto bastante dele. Só fico com medo de usá-lo ao passar perto de algum ferro velho. Vai que tem aquele imã gigante que a gente vê nos filmes, e o campo magnético acaba atraindo os 79 zípers dos meus bolsos traseiros. Não quero ficar lá pendurada pelas nádegas até chegar ajuda.

Impressionar


Escrevi o texto original dessa tirinha com "Responda e o impressione" no segundo quadrinho. Quando fui usar a regrinha do "mesmo que eu <verbo>" pra saber se o imperativo estava certo, descobri que era exatamente o contrário: "Responde e o impressiona". Um detalhezinho bobíssimo, mas essencial para a conjugação verbal correta se eu quisesse usar a segunda pessoa. Minha conclusão: devemos todos ter orgulho de nós mesmos só por morarmos no Brasil e conseguirmos nos comunicar, porque Português é uma língua difícil pra casseta.

Consumidora



A desculpa queridinha das empresas prestadoras de serviços: "É culpa do sistema". "O sistema tá fora do ar", "O sistema não permite", "O sistema é assim mesmo", "O sistema demora 3 meses pra verificar o valor". Coitadinho do sistema, sendo usado como bode expiatório para justificar qualquer abuso ao consumidor.

Show


Uma vez tinha uns caras tão grandes na minha frente que eu acho que os ouvi discutindo sobre a melhor maneira de se cozinhar um hobbit.

Dizendo adeus


Pra completar minha semana com tendinite, segue mais uma tirinha que fiz para um dos concursos do Ideias Ilustradas. Postei essa sozinha porque a acho especial. No início, minha intenção com ela era fazer algo para as pessoas que já tiveram que dizer adeus a alguém. Acabou que no final ela ganhou inúmeros novos significados nos comentários do concurso. De qualquer jeito, não consigo deixar de sentir saudade daquela época doce da infância, quando éramos crianças tão inocentes e ao mesmo tempo tão maduras. 

E pra vocês, o que essa tirinha quis dizer?

Coletânea "Ideias Ilustradas"



















Na última semana minha mão doeu um pouco por causa do esforço e acabei não conseguindo fazer uma tirinha nova pra esse domingo. Pra tentar compensar, postei algumas das que fiz nos concursos do Ideias Ilustradas, já que sei que a grande maioria de vocês nunca as viu.

Agora, com licença, que preciso voltar a usar o mouse com a mão esquerda. Não que eu me importe com a dificuldade - estou até gostando. Considero isso meu treinamento em ambidestria pra quando eu for escolhida pra virar super-heroína. Porque fala sério: combater o crime e as forças do mal usando uma arma em cada mão vai ser muito mais legal do que usando uma arma só. Ai, ai, espero que o apocalipse robótico-medieval chegue logo. Eu vou ser super maneira!

Este é alguém


Pensei nessa tirinha depois que li essa reportagem com o criador da página "Este é alguém". Apesar de ele parecer educado e não querer ofender a ninguém, os comentários da notícia eram assustadoramente agressivos, tratando a página dele como "um câncer na internet". E todo esse ódio era só porque ele usou o meme do "That feel" e criou outro sentido pra ele - que, a meu ver, não anula o original (também o acompanho há anos e não vi problema). Fico boba ao descobrir que em pleno Brasil, o "país da zueira", tem gente ditando manual de etiqueta pra usar um meme da forma "correta". "Quero colar esse trollface aqui nos comentários, deixa só eu checar as normas ABNT pra não chegar nenhuma multa lá em casa". Oi?

Raspa de bolo


Eu tinha desenvolvido uma técnica infalível para comer bolo enquanto ficava no computador sem ter que usar as duas mãos. Eu cortava ele em cubinhos, colocava num pote e comia de hashi. O bolo não despencava e ficava fácil de comer. Era prático. Rápido. Eficaz. Pena que a população asiática descobriu e agora eu estou apodrecendo em uma masmorra chinesa por ter insultado seus ancestrais.

Vampiros


Mas não me entendam mal: isso não é uma crítica às histórias de amor vampiresco. Pelo contrário. Acho engraçado quem diz que "não é assim que vampiros de verdade devem se comportar". Primeiro que não existe vampiro de verdade, né. Segundo que é um pouco feio a pessoa querer que todos os personagens de todos os universos sigam as regras impostas pelo seu próprio gosto pessoal. Aliás, o mundo seria bem mais monótono se os autores de ficção tivessem que criar suas histórias respeitando os padrões já determinados pela sociedade, não? 

Ob.: Algo me diz que vai ter polêmica...  

Sendo observada


Um filme de terror onde as bonecas namoradeiras ganham vida e assassinam seres humanos para roubar a metade de baixo de seus corpos. Até Stephen King teria pesadelos.

Susto


Uma vez eu estava assistindo a um showzinho de uma artista de rua sobre histórias de terror. Em meio a um conto de decapitados fantasmas, ela lançou com um grito um ratinho de borracha em direção a uma das expectadoras desavisadas: eu. O rato bateu em mim, caiu no chão e eu olhei para cima, completamente sem reação. Ficou aquele silêncio esquisito até ela retomar a narrativa. Acho que o pior pesadelo daquela moça deve ser me reencontrar algum dia - e olha que ela trabalha contando histórias de decapitações e torturas medievais.

Filmes de terror



Mas não entendo como nós podemos ter tanto medo de filmes de terror quando existem coisas muito mais assustadoras no mundo real. Crimes hediondos, abusos de inocentes, atrocidades contra os direitos humanos. Isso sem falar no mascote de uma certa marca de Guaraná.

Bruxa


Agora entendi por que o pessoal da agência de Comunicação correu tanto pra lançar a nova identidade visual da Sessão da Tarde antes de outubro. Não podiam perder a chance de apresentá-la durante as gloriosas reprises de "Abracadabra" no Dia das Bruxas, né.

Ideia da Ana Paula Borges Santos.

Dia das Crianças


Uma das virtudes infantis de que eu mais sinto saudades era aquela capacidade infalível de passar o tempo se distraindo só com o poder da imaginação. Quando adultos, um pensamento não é considerado suficiente pra nos entreter. Não sei se é porque pensamos que poderíamos fazer coisas mais importantes pra aproveitar o tempo, como ler ou jogar alguma coisa. Não sei. Mas eu tento me policiar pra lutar contra isso. Às vezes vou ao banco ou ao dentista e penso: "Vou levar um livro? Não, hoje não. Vou aproveitar a espera pra pensar. Tenho muito no que pensar". Afinal, eu me recuso a aceitar que minha própria companhia seja algo tão desinteressante assim.

Prateleira do chuveiro


Nunca me dou bem escolhendo shampoo. Um dia quero meu cabelo com "liso extremo". No outro, com "cachos bem definidos". No outro, acho que ele é loiro. No outro, lembro que ele é castanho. No outro, ele precisa de hidratação. No outro, de restauração. Aí quando eu tento comprar Johnsson's Baby pra ficar com cabelinho de bebê me toco que é melhor desistir da lógica mesmo e me render a escolher pelo cheiro.

(Como nessa tirinha: Comprando Shampoo.)

Ficar sozinha


Mas às vezes as pessoas realmente precisam de algo que só você sabe fazer - como programar o horário do micro-ondas, por exemplo. Negar ajuda seria egoísmo. Você foi agraciado com esse dom especial para ajudar a humanidade. Quer você queira ou não, esse é o seu dever. É sua obrigação. Você pode não ser o heroi que essas pessoas merecem, mas é o que elas precisam na hora. Elas vão caçá-lo porque você aguenta. Porque você não é um heroi, é um guardião silencioso. Um protetor zeloso. Um Cavaleiro das Trevas.

Salve o mundo dos micro-ondas 00:00. Torne-se o heroi secreto que já existe no seu destino.

Escovando os dentes


1 entre 10 dentistas recomenda essa tirinha. 

(Os outros 9 estão do lado das fabricantes.)

Nia-ha e Lady Garras em... Baú (pt.2)


Um figurante aleatório cruza com a heroína na rua. Ele aperta os olhos, intrigado, e reconhece aquele amuleto que ela carrega no pescoço. Tem as iniciais do nome dele. Tem a foto da esposa dele. Mas a heroína não quer devolvê-lo. Diz que ganhou de um baú em uma casa. Que é dela. Agora o homem precisa batalhar com a ladra maldita para recuperar seus pertences. Ela o mata.

...E agora? E se todos os vilões figurantes que matamos nas nossas jornadas eram apenas pessoas nos atacando porque lhes fizemos algum mal? Porque roubamos suas coisas, batemos em seus parentes? Será que toda nossa vida tem sido uma mentira? Será que no fundo somos nós mesmos os vilões?


Nia-ha e Lady Garras em... Baú (pt.1)

 

 Um estranho conversa com o carpinteiro do vilarejo: "Sim, moço, eu quero um baú para oferecer objetos valiosos a aventureiros desconhecidos em locais ermos e inatingíveis. Esse de mogno com acabamento em ouro e capacidade de armazenamento de 400 litros me parece bom. Ahn? O que eu quero guardar? Ah, é só esse anelzinho de dedo mindinho..."

Macarrão

 

"(...)Apertei-me contra o fundo da mesa. Eles nunca me encontrariam. Não ali embaixo. Não naquele escuro. 

Um ta-ta-ta-ta-ta frenético cortou a noite. As árvores rufaram com a chegada do helicóptero. Seu farol invadiu a janela do meu quarto. Sim, eles estavam vindo. E traziam a minha punição. Como eu era idiota! Eu nunca devia ter comprado a sua ira! Eu nunca devia ter publicado aquela tirinha! Eu nunca devia ter admitido em alto e bom som que eu pegava a faca e cortava o-...

POW. A porta foi violentamente arrombada. Os italianos haviam me encontrado. Aquele seria o meu fim.(...)"

- "As Crônicas de Niazinha: um país, uma faca e um macarrão", p. 127. Rio de Janeiro, 2013. Romance não publicado porque não existe.

Terminando a faculdade


Quando eu tinha 15 anos eu era agressivamente a favor de as indicações de 16 anos dos filmes serem mais liberais. Eu pensava: "fala sério, um jovem de 15 anos hoje em dia vê muito mais que isso na internet! Que hipocrisia! Aliás, não é melhor a gente ver esse conteúdo mais pesado justamente pra se preparar pra vida?". Só que aí eu fiz 16 anos e automaticamente esqueci minha luta. Afinal, eu não precisava mais dela. Pensando melhor hoje, consigo fazer um paralelo com a política no Brasil. Temos um grupo de majoritariamente homens brancos e de meia-idade criando e vetando as leis de toda a sociedade. Quantos projetos para minorias são relevados por eles, que estão fora do público que elas afetariam e, portanto, ignoram a sua importância?

Redes Sociais

 

Mas claro que existem exceções - como vocês, seus coisas lindas, leitores fofos que povoam a seção de comentários com mensagens de apoio e críticas educadas. Os leitores do Como eu realmente renovam a minha fé na internet.

(Só teve aquela vez em que alguém tentou fazer uma simpatia/despacho de amor nos comentários de alguns posts. Mas nem perdi a fé por causa dela, na verdade. Só fiquei surpresa. Eu não sabia que o Como eu realmente tinha o poder de "trazer a pessoa amada em 3 dias". Será que M.H.R conseguiu conquistar seu R.T.M.L, afinal?)

Moda (des)oportunista



E ainda existe uma categoria híbrida de utensilios que eu classifico como semi-feios. De longe, e em meio a todas as outras cores da coleção, são lindos. De perto e sozinhos, porém, são incompletos. Como já dizia Shakespeare, em sua obra "Hamlet e a Regatinha Amarela": "Comprar ou não comprar, eis a questão".

Abrindo o pão

 

Mas se você abrir o saco do pão e sussurrar ao aramezinho, bem devagar, "eu estou de olho em você", ele vai continuar exatamente onde você o deixou. Podem confiar, funciona mesmo. (#NiazinhaTroll)

Nia-ha e Lady Garras em... Enigmas


Alguns dizem que pessoas inteligentes são aquelas que sabem se expressar de forma clara e objetiva. Se for isso mesmo, ou o Mestre Fofura é um idiota e não faz ideia do que está falando, ou ele é um sádico que fala tudo errado de propósito só para se divertir as nossas custas. (Hum... Da próxima vez que eu o encontrar, vou ver se sinto cheiro de pipoca.)

Nia-ha e Lady Garras em... A Espada

 

E o que mais me assusta não são os mortos-vivos sanguinários guardando a espada no fundo daquela caverna-calabouço-labirinto milenar. Não, o que me assusta são os insetos, morcegos e cobras que vivem lá dentro, nas suas profundezas mais intransponíveis e remotas, centenas de anos sem alimento ou oxigênio. Os mortos-vivos a gente pode até devolver ao submundo, já esses bichos... Eles são basicamente imortais!

***

Vocês pediram, e elas chegaram! As épicas aventuras da guerreira élfica Nia-ha e sua fiel companheira condescendente Lady Garras! Hahahah. Tentarei postar uma tirinha ou outra delas de vez em quando aqui no Como eu realmente e, se vocês gostarem, eu continuo com a série.

Filmes antigos


Talvez se as pessoas assistissem mais filmes antigos nas TVs widescreen de hoje em dia os padrões de beleza da sociedade atual favoreceriam mais as pessoas gordinhas.

Fondue

 

Vou contar o truque pra vocês. Sabem aquelas sorveterias em que você mesmo coloca seu sorvete e seus acompanhamentos? Peguem o potinho, passem direto pelas delícias geladas, encham-no de calda de chocolate com frutas e biscoitinhos e entreguem à moça com olhar condescendente na caixa. Pronto: fondue de chocolate à quilo! 

(E de quebra ainda desafiaram o sistema ao não pegar sorvete. É, minha gente: Niazinha gosta de viver perigosamente.)

Saindo da rotina


Se as pessoas parassem de procastinar quando se sentem inspiradas, a evolução artístico-tecnológica humana estaria uns 300 anos adiantada em relação ao que temos hoje. Se bobear, já teriam inventado até a magia. Ou um Yakult de tamanho grande.

Ob.: se alguém quiser ver a imagem grande, eu postei ela aqui no Face.

Academia


Mas essa tirinha nem ficou muito realista. Não, não por mim - eu estou totalmente igual. Quem ficou diferente é a moça perfeita ali em cima. Todo mundo sabe que 99% do tempo da academia ela passa malhando os glúteos, e não os braços. (Os outros 1% é fofocando com as outras mulheres da aula de jump-flying-kicking-box-spinning yoga).

Cães e gatos - pt.2


Lembrando que a maior parte da personalidade que nós atribuímos a esses bichinhos vem do que julgamos das suas expressões faciais. O cachorro tem uma cara de que está sorrinho - logo, ele é bobo e feliz. O gato tem um olhar de que está ameaçando a sua alma - logo, ele é malvado e sedutor. Pode ser só a aparência deles, independente de qualquer sentimento, mas nós conseguimos humanizar os seus traços tanto, mas tanto, que acabamos gerando preconceito humano sobre eles também.

Conclusão: o ser humano se esforça muito pra ser babaca.


Maquiagem relativa


Sempre que entro em algum blog de moda ou maquiagem eu sinto um alívio enorme por não ser blogueira desse ramo. É muito libertador eu poder vestir o que eu quiser e sair com a maquiagem imperfeita que eu quiser sem ter que ser julgada como especialista e gongada pela internet por cada errinho mínimo. Tipo: "ah, minha maquiagem ficou malfeita? Que bom que eu não sou blogueira de moda, né", e saio andando ao bom estilo "haters gonna hate".

Gatos e truques


Dizem que gatos são animais menos inteligentes por nem sempre atenderem pelo nome e não aprenderem muitos truques, mas eu acho que pode ser exatamente o contrário: eles são criaturas tão sábias  que reconhecem seu próprio valor intelectual e não se dão ao trabalho de se curvar diante dos caprichos dos humanos.

Temperos


No outro dia eu peguei meu pai encarando o fogão com uma expressão tensa. Acho que, perdido, ele estava tentando intimidar a frigideira a fritar um ovo pra ele. ...O coitado deve ter passado fome nesse dia.

Gênios e liberdade


Arruinei a infância de vocês? Hahahahah. Mas pensem bem: em qualquer história que se preze, toda criatura hiperpoderosa ou roubada demais, que poderia resolver todos os problemas dos bonzinhos na trama com um simples peteleco, ou se recusa a se intrometer nos assuntos dos meros mortais, ou é justamente o vilão. Pro gênio, sobrou esse segundo, né.