• Tirinhas
  • Personagens
  • Livros
  • Curiosidades
  • Na mídia
  • Autora
  • Contato
  • English

Prova de interpretação


O que eu vejo na imagem? Bom, os caracteres misturados e ilegíveis seguem a tendência subversiva irreverente do movimento estético predominante na sua época, o vermelho no fundo é uma metáfora para as perseguições comunistas pré-golpe-de-64, e as distorções depressivas têm influência na fase gauche do desenvolvedor do site.

24 comentários :

  1. Aaaah, era sempre a parte de interpretação de texto que me salvava nas provas da escola! Aí, chegou a hora de interpretar poesias na faculdade e reprovei na matéria! Faculdade mostrando que eu NÃO sabia interpretar textos!Y.Y

    ResponderExcluir
  2. Morgana Patrocinio22 de janeiro de 2014 21:41

    Que dia é hoje, fessora? kkkkkk

    ResponderExcluir
  3. esses captcha ferram a minha vida...
    eu fico lá.. tentando.. tentando.. tentando... 6 h depois.. eu acerto.. pq voltou na primeira imagem..


    aquilo é antibot.. mas só BOT acerta..

    ResponderExcluir
  4. Sempre detestei enunciados com "o que você entende do texto...?". Eu entendia uma coisa, a professora me corrigia e eu falava (porque eu era uma criança geniosa): "Mas não era pra dizer o que EU entendi?? Eu entendi isso, ué!"


    Como se a professora fosse quem entrou melhor na cabeça do escritor! As duas poderiam estar totalmente erradas, aliás. XD

    ResponderExcluir
  5. Poeta Sábio, 1989. hahahah

    ResponderExcluir
  6. Estudo Letras e é assim que eu vejo as provas até hoje....principalmente na parte de Literatura, que a gente tem que fazer análise de poemas... que tem que falar quantas sílabas, quantos versos, que tipo de poema é, qual o ritmo, qual a mensagem que o poema passa, etc...
    Eu definitivamente tenho a certeza que não quero dar aula de Literatura!

    ResponderExcluir
  7. Pois é! Mas alguns são bem legais de fazer, e outros, bom, outros são como "A Cortina é azul... O que isto significa?"

    ResponderExcluir
  8. Eu tinha vários professores que escreviam a data em letras garrafais na lousa em dia de prova, justamente para evitar isso. E o pior é que ainda tinha gente que perguntava, rss.

    ResponderExcluir
  9. Eu tive um professor na faculdade que nos mandou fazer, como trabalho final da disciplina, a interpretação de dois poemas. Detalhe: nós deveríamos escrever DEZ PÁGINAS sobre CADA UM. Acho que eu nunca fiz um trabalho tão viajado quanto aquele. Tinha dias que eu acordava no meio da noite depois de ter sonhado, e achava que dava para associar o sonho com o poema de algum jeito, ia lá escrevia. No final eu já estava dando jeito de associar praticamente qualquer coisa aos benditos poemas, huehuehue. Pior é que eu tirei nota boa... Acho que o intúito do trabalho era ver quem viajava mais, rss.

    ResponderExcluir
  10. Huahuahua, é bem isso mesmo. Pior quando eu não entendo o captcha, chuto qualquer coisa jurando que está errado...E o negócio funciona. Às vezes eu tenho a impressão que captchas são controlados por robôs sádicos que se divertem ao ver nossas caras de frustração e/ou surpresa na frente do computador, rss.

    ResponderExcluir
  11. Isso me faz lembrar de uma comédia típica de sessão da tarde. Nessa comédia um homem de meia idade resolveu voltar a estudar para ficar mais perto do filho, de quem ele havia se distanciado demais por vários motivos.


    Ele é muito rico, mas nunca fez faculdade pois largou os estudos para se dedicar aos negócios, trabalhando desde cedo.


    Há uma cena em que ele precisa fazer um trabalho de interpretação de um livro e como não consegue fazer, ele paga o autor do livro para fazer o trabalho para ele. Daí a professora lê o trabalho dele e o reprova alegando que ele não entendia nada do livro e fez um trabalho péssimo, sendo que o trabalho foi feito pelo próprio autor. É hilário ele ligando para o escritor, dizendo que ia sustar o cheque, pois ele não entendia nada da própria obra dele.

    ResponderExcluir
  12. Aconteceu na graduação: a prova era sobre um determinado livro e tinha 5 questões. Eu acertei as 4 primeiras. A última, cujo enunciado dizia "Você concorda com o autor quando ele diz bláblábla?", respondi que não concordava por causa dos motivos XYZ. A mestra me deu meio acerto, e quando fui questionar o porquê, ela saiu com a seguinte pérola: "Mas você tinha que ter concordado com o autor!". Então tá!

    ResponderExcluir
  13. Eu clicaria em atualizar até aparecer algo meramente inteligível.....

    AUEhauehuEhuEAhuehuaHAE =P

    ResponderExcluir
  14. Eu clicaria em atualizar até aparecer algo minimamente inteligível.....

    AUEhauehuEhuEAhuehuaHAE =P

    ResponderExcluir
  15. Quando o poeta sábio declarou que existe um apreço da parte dele por azul, que na sociedade existente na época em que o poeta escreveu o texto, era a cor predominante para representar o masculino, o autor obviamente manifesta sua natureza homossexual na primeira linha do poema...
    Porém, em seguida o escritor choca o leitor anunciando, repentinamente, que também gosta de rosa! O que nos leva a ter a certeza sobre a, na verdade, bissexualidade do mesmo! Dai vemos como ele é progressista e a frente do seu tempo, pois já era um militante dos direitos das pessoas com sexualidade não ortodoxa que eram, e são, amplamente discriminados pela sociedade. Atitudes como esta renderam uma indicação ao prêmio Nobel da paz, que só não veio para o brasileiro por questões de politicagem.
    E para encerrar a análise, é possível perceber que para amenizar o excesso de realidade à qual o leitor é exposto ao se deparar com as letras da obra de arte sendo verificada, a mesma é encerrada com uma reflexão sobre como no fundo, o que realmente importa para um indivíduo, é a capacidade de apreciar e dar valor às coisas simples da vida, como os bolinhos.
    O apelido de "Poeta sábio" é muito adequado, pertinente, e coerente uma vez que o talento para manifestar tanto, expressando tão pouco, é uma das grandes ambições dos mais renomados artistas que compartilharam esse planeta com a humanidade.

    ResponderExcluir
  16. mais de 20 linhas o texto professora!

    ResponderExcluir
  17. Gabriel Vasiljevic19 de março de 2014 16:55

    banana97m 59 mats macaRRao

    ResponderExcluir
  18. Que comédia é essa? Fiquei muito interessada em ver! XD

    ResponderExcluir
  19. Isso aconteceu meio que de verdade em Brasília na prova da UNB, pegaram um texto de um escritor famoso da época para usar na prova, o jornal pediu para o autor responder as perguntas de interpretação do texto dele e ele acertou só metade! Desde então a UNB não usa mais textos de autores vivos. rs

    ResponderExcluir
  20. HHAHAAHAHAHA sobra a vida real:
    surreal!!

    ResponderExcluir
  21. Em interpretação de poemas eu sempre acho que todas as alternativas estão corretas, mas raramente tem essa opção. Sempre encontro indícios para todas elas no texto. kkkkkkk

    ResponderExcluir
  22. Minha resposta pra essa tirinha http://www.comoeurealmente.com/2014/01/prova-de-interpretacao.html#comments
    (já que não consegui comentar lá)

    Resposta: O poeta sábio quis dizer que ele está indeciso
    sobre suas escolhas e opiniões, então ao tentar se decidir entre duas cores,
    ele menciona que sua melhor escolha é gostar de bolinhos.

    P.S.: Desculpa, mas esse layout do site tá ruim, não to conseguindo
    fazer nada!

    ResponderExcluir
  23. foi
    mal escrevi umas coisas ai sem querer

    ResponderExcluir
  24. Resposta: O poeta sábio quis dizer que ele está indeciso
    sobre suas escolhas e opiniões, então ao tentar se decidir entre duas cores,
    ele menciona que sua melhor escolha é gostar de bolinhos.

    ResponderExcluir