• Tirinhas
  • Personagens
  • Livros
  • Curiosidades
  • Na mídia
  • Autora
  • Lojinha
  • Contato
  • English

Valor relativo


Em algum momento da história de nossa residência, herdamos um exótico vaso de vidro roxo. Rapidamente ele foi incorporado à decoração como lixeira da estante da sala. Algum tempo depois, descobrimos que o vaso era um autêntico Murano italiano antigo, feito com técnicas que pouquíssimas pessoas conseguem reproduzir hoje em dia. Aqueles brilhos amarelos entre as bolhas no vidro eram, inclusive, ouro. Ficamos boquiabertos, e, mesmo que fosse exatamente o mesmo objeto, passamos a olhá-lo de outra forma. A valorizá-lo. (...Mas ele ainda é a nossa lixeira. Uma lixeira bem chique.)


Ob.: Não tive muito tempo para fazer essa tirinha. Peço perdão se ficou confusa ou meio sem sentido.


12 comentários :

  1. Uma lixeira de ouro... Quem iria imaginar? Ninguém nunca vai roubar o vaso!

    ResponderExcluir
  2. Marcel Duchamp que o diga! XD

    ResponderExcluir
  3. Lixeira ostentação

    ResponderExcluir
  4. Não é algo bom para um aspirante a desenhista dizer, mas eu vejo mais beleza na funcionalidade, no sentido ou no significado do que na estética.

    Por isso nunca consigo me maravilhar com aquelas igrejas grandiosas de mármore, marfim e ouro espalhadas pela América do Sul. (aliás, e nem saber por que catso ouro vale tanto).

    ResponderExcluir
  5. Completamente verdadeiro! Trabalho com música e funciona exatamente assim. Se o som for uma porcaria, mas algum boçal disser que é bom, pronto! É BOM! Agora se realmente for bom e algum boçal disser que é ruim... já sabe! Prova disse é aquele vídeo de um renomado violinista tocando numa estação de trem onde os transeuntes não sabiam quem ele era e todo mundo cagou e andou pro cara. Quando souberam que o minuto de apresentação do cara vale em torno de mil dólares, a coisa mudou de figura!

    ResponderExcluir
  6. Faz um bom negócio

    ResponderExcluir
  7. Pois eu vejo, são obras lindas que mostra quão grandiosa é a imaginação e a força de vontade humana, que quando bem orientada, consegue fazer coisas realmente maravilhosas. Claro que equilíbrio entre beleza e praticidade também conta muito, mas aquelas igrejas eram projetadas para terem um excelente acústica e outros vários pormenores que tornam edificações como aquelas obras muito avançadas e complexas para a época. E o ouro vale muito porque é raro, se fosse comum como o alumínio não valeria tanto.

    ResponderExcluir
  8. É raro, mas não é mais útil que o alumínio. Essa é a questão: eu vejo beleza na utilidade.

    Quanto às igrejas, eu não quis dizer que são obras ruins, pelo contrário: são verdadeiras maravilhas arquitetônicas e artísticas. Mas não consigo me maravilhar porque o viés por trás das motivações da instituição que as erigiu supostamente deveriam resultar no extremo oposto da ostentação que elas representam.

    Foram construídas desta forma pra colocar sobre um pedestal homens que se diziam representantes de uma entidade que os mandou serem humildes. E, lá de cima, sentiam-se com autoridade para ordenar aos fiéis que fizessem o mesmo, sem no entanto o praticarem.

    ResponderExcluir
  9. Oh, mas ouro é bastante útil também, diria até extremamente útil, só como exemplo, seu computador possui ouro nos contatos da memória RAM. Além do mais, ele também aparece em televisões, aviões e até maquinário hospitalar! SIM, o ouro serve até para salvar vidas!


    E sobre as igrejas, entendo o que você quer dizer e até concordo em certo ponto, mas isso não desqualifica a edificação em sim, posto que segundo esse ponto de vista, todas as construções grandiosas não poderiam ser dignas de elogios. As pirâmides egípcias, os templos gregos, todos são maravilhosas construções que de uma certa maneira envolveram o uso de mão-de-obra escrava. A construção do cristo redentor deve ter explorado alguns construtores com baixos salários(embora não tenho certeza nisso)... Enfim, eu não afirmo nada, mas pergunto: Eles merecem ser desprezadas por causa disso? Eu acho que não, por mais que suor e sangue tenha sido derramado para construir essas e tantas outras obras, eu acho que tê-las como patrimônio da humanidade e estimá-las serve até como forma de honrar quem as construiu.

    ResponderExcluir
  10. Eu acabei afirmando, mas whatever. kkk

    ResponderExcluir
  11. João Pedro da Silva9 de maio de 2014 14:05

    Não acho que ficou sem sentido ou algo do gênero.. até porque vc sempre focou mais no que queria dizer com a tirinha do que na arte mesmo!!

    ResponderExcluir
  12. Manda o link do vídeo? :)

    ResponderExcluir