• Tirinhas
  • Personagens
  • Livros
  • Curiosidades
  • Na mídia
  • Autora
  • Lojinha
  • Contato
  • English

Clima de Natal

 

"(...) 
Lembro-me como se fosse ontem a primeira vez em que vi um cubo de chocolate. Derivados de cacau eram difíceis de encontrar desde que a guerra começara e todos haviam sido confiscados pelo Governo Marrom como munição. Lá na última zona neutra, então, eram especialmente impossíveis, já que qualquer contrabando de frutas cristalizadas ou Hersheys era considerado afronta gravíssima à neutralidade pública, e seu responsável era devidamente presenteado com uma viagem só de ida para a prisão.
Nossa mãe desenrolou o cubinho de chocolate do pano sujo que trouxera escondido no avental. Ela sabia que era proibido, mas também sabia que cacau era um presente de valor incomensurável para qualquer criança. Havia outras formas de fazer crianças normais felizes, é verdade, mas nós não éramos crianças normais. Éramos um bando de órfãs cuja vida fora roubada pela guerra. E para as crianças mais tristes, o justo seria a maior felicidade. Ou pelo menos era nisso que nossa mãe acreditava.
Ela não era nossa mãe de verdade, mas, naquele momento, sentimos como se fosse.
Ralamos com cuidado o quadradinho, dando na pontinha do dedo de cada criança do orfanato uma lasquinha daquela felicidade marrom. Ela derreteu imediatamente na minha língua, mas nunca esqueci o que senti com aquele chocolate. Tinha gosto de um passado ou futuro distante, onde semelhantes não brigavam pela discordância com o recheio do pão alheio.
Tinha gosto de liberdade.
Isso foi há muitos anos. Batalhamos por migalhas e vacilamos para sobreviver por cada um deles. Em algum momento, nossa mãe foi descoberta e levada pelos agentes do governo neutro. Nunca mais a vimos. Seguimos do jeito que pudemos mesmo assim. Agora, a maioria das crianças do orfanato já havia partido para sua própria vida. Ou pior.
E a guerra ainda seguia.
Chequei as flechas com fermento explosivo na minha aljava. Todos nós já havíamos perdido coisas demais com ela. Guardei os lasers antifrutas com mira de açúcar no coldre das minhas coxas. E eu já havia perdido tempo demais sem revidar. Prendi minhas duas katanás gêmeas com lâmina morna derretedora de chocolate cruzadas nas minhas costas.
A guerra dos chocotones e panetones ainda seguia. Mas não por muito tempo.
(...)"

- As Crônicas de Niazinha VI: um conto de Natal. BOLINHOS, Niazinha. Rio de Janeiro, 2014. p. 8-9. Romance não publicado porque não existe.



17 comentários :

  1. Quem não gosta de nenhum dos dois faz o que?

    ResponderExcluir
  2. Digamos que nossa guerra se passa em Westeros, e você está na terra da Daenerys.

    ResponderExcluir
  3. Pelo que entendi do conto você é do time do chocotone, hã?
    hahahahahaha
    Se fizessem um que misturasse gotas de chocolate com frutas cristalizadas o mundo entraria em colapso e racharia no meio.

    ResponderExcluir
  4. Se eu for da Bauducco, surgirei com essa ideia e te dou o crédito.
    Tudo porque quero ver o mundo arder.

    ResponderExcluir
  5. O trecho de "As Crônicas de Niazinha VI" parece uma daquelas distopias adolescentes onde até respirar é proibido pelo Governo.

    ResponderExcluir
  6. Nem em Essos... Se bobear tá na Antiga Valíria kkkkk

    ResponderExcluir
  7. Chocotone o/ ok, ok , sem rivalidade , todos podem gostar do que quiserem! :3

    ResponderExcluir
  8. Você já tentou escrever um livro? Ps: sempre rio com o "romance não publicado porque não existe"

    ResponderExcluir
  9. Adorei o conto! Em minha casa quase todo mundo gosta de Chocottone, então a briga pelas últimas míseras migalhas muitas vezes se transforma em uma edição dos Jogos Vorazes, em que cada um luta por si e o único vencedor (geralmente meu gato) fica com o último pedaço, sempre o mais valioso de todos.

    ResponderExcluir
  10. Mas Daenerys ta em Westeros... =(

    ResponderExcluir
  11. Team Chocotone ueabaaa!

    ResponderExcluir
  12. Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.
    Dona Amélia (minha mãe) coloca as duas iguarias na mesa. e quem discutir na noite de natal, ou na manhã do dia seguinte, toma surra de colher de pau ou rolo de massa, depende oque ela estiver na mão.KKKKKKKK

    ResponderExcluir
  13. Só te digo isso:
    PUBLIQUE ESSES CONTOS POR FAVOR!

    ResponderExcluir
  14. A Cacau Show tem um exatamente assim hahahah

    ResponderExcluir
  15. O da Cacau Show não é "exatamente" assim mas eles fazem panetone de frutas com recheio de chocolate e eu acho que é uma das coisas mais malévolas já inventadas... :P

    ResponderExcluir
  16. eu sou sempre a favor de jogar sorvete dentro do panetone/chocotone, é a única maneira de eles ficarem igualmente bons xD

    ResponderExcluir
  17. Leiam isso ouvindo à música ezio's family do assassins creed II. Fica épico!!

    ResponderExcluir